Buscar um trabalho mais criativo, leve e tranquilo foi o que me levou, a trocar a inquietação das redações de jornal e televisão e de assessorias de imprensa, pela feitura do sabão. Loucura! Muita gente falou. Mas meu desejo, na busca de uma atividade mais tranqüila, porque não dizer inovadora, falou mais alto.

 

Depois de muita pesquisa sobre sabões, sabonetes, cheiros, óleos, manteigas, corantes, fórmulas, enfim coisas que para mim até então, eram verdadeiros enigmas na área da Química, consegui desenvolver cheiros diferentes, naturais. Busquei formatos, misturas com limão. patchouly, alecrim, laranja, lavanda; combinação e a mistura de cores. Primeiro, no sabonete de glicerina, depois na técnica "cold process". E como essa técnica exigia conhecimentos mais específicos, acabei voltando para os bancos da escola. E lá estava eu numa sala de aula fazendo o Curso de Técnico em Química, junto com os recém-formados alunos do segundo grau.

 

Foi um grande desafio e uma aventura fascinante, depois de anos sem saber até onde tinha evoluído a Química e de já nem lembrar mais da posição dos elementos na Tabela Periódica, que já há muito estava esquecida em um canto da minha memória.

 

E foi uma meta que busquei para complementar o meu trabalho e que segui à risca. Já formada, fui aprofundando os estudos e descobrindo os segredos e as magias do processo de fazer sabão, que remonta ao tempo de nossos avós.

 

Eu me apaixonei ainda mais pela técnica, ao desvendar o que é para mim um dos milagre da Química: a reação de saponificação. Uma mistura de ácidos graxos, existentes em óleos e gorduras, com álcalis que leva à formação de sabão, um sal, dentro da classificação funcional da Química.

 

E com tantos estudos e pesquisas consegui elaborar uma fórmula de sabonete que apresenta inigualável textura e qualidade, além de proporcionar grandes benefícios à nossa pele. Busquei na Aromaterapia, conhecer um pouco da sensação que cada cheiro proporciona ao nosso organismo, sensações relaxantes, refrescantes, revigorantes, energizantes, estimulantes, dentre outras, dependendo da combinação dos cheiros e dos óleos essenciais. Não satisfeita em ter conseguido dominar a técnica "Cold Process", parti para elaborar também a minha própria base de glicerina, feita também somente com óleos vegetais.

 

E com meu objetivo voltado também para a preservação do meio ambiente, procurei formular um sabonete usando matérias-primas renováveis, biodegradáveis e sem o uso de detergentes sintéticos e parabenos e sem produtos de origem animal.